Histórico

O Instituto Oceanográfico da Universidade de São Paulo (IOUSP) foi fundado em 1946, como Instituto Paulista de Oceanografia (IPO). Na época de fundação, os objetivos de seus idealizadores apontavam para a necessidade de uma instituição que fornecesse bases científicas à pesca e, numa concepção mais ampla, à exploração de recursos disponíveis ao longo do litoral paulista.

Em 1951 foi incorporado à USP como Unidade de Pesquisa, assumindo seu nome atual e obtendo maior autonomia no cumprimento de suas funções. Posteriormente, em 1972, foi transformado em Unidade Universitária, passando a oferecer cursos de Pós-graduação em nível de mestrado nas áreas de Oceanografia Biológica e Oceanografia Física em 1973. O curso de graduação (Bacharelado em Oceanografia) foi aprovado pelo Conselho Universitário em 2001, com a primeira turma de alunos ingressando em 2002.

Linha do tempo

31 de Dezembro de 1946
Criação do Instituto Paulista de Oceanografia

O Instituto Paulista de Oceanografia (IPO) foi criado pelo Decreto-Lei nº 16.685, de 31/12/1946. Sediado no Parque da Água Branca, o IPO tinha o objetivo de fornecer bases científicas à pesca e, numa concepção mais ampla, à exploração de recursos disponíveis ao longo do litoral paulista. O IPO era subordinado à Divisão de Proteção e Produção de Peixes e Animais Silvestres do Departamento da Produção Animal da Secretaria da Agricultura do Estado de SP. Os Decretos-Leis 16.916 de 14/02/1947 e 17.122 de 13/03/1947 são complementares ao de criação, alterando, respectivamente, sua estrutura administrativa e subordinação à Diretoria Geral do Departamento de Produção Animal da mesma Secretaria. Todos os 3 decretos-leis foram revogados pela Lei 12.392 de 23/05/2006.

Março de 1947
Aquisição da coleção bibliográfica

A Seção de Biblioteca, instituída desde o decreto de criação do IPO, adquiriu em 18/03/1947, da família Ihering, sua primeira coleção bibliográfica, pertencente a Biblioteca do naturalista Rodolpho Theodor Wilhelm Gaspar von Ihering (1883-1939).

1947
Infraestrutura do IPO

Wladimir Besnard e João de Paiva Carvalho viajam a várias cidades da costa de São Paulo (Santos, Praia Grande, Bertioga, Cananéia, Iguape, Registro, São Sebastião e Ubatuba) para avaliar a melhor região para instalação das bases de pesquisa da instituição.

1948
Início dos trabalhos científicos

Wladimir Besnard, Marta Vannucci, João de Paiva Carvalho e outros pesquisadores iniciam trabalhos científicos no Litoral Sul do Estado de São Paulo. Foram realizadas as primeiras pesquisas físicas e químicas, em trechos do sistema hidrográfico da região lagunar de Cananeia. Essas observações iniciaram-se no final de 1948, contando com 10 expedições. Os trabalhos tiveram apoio da Marinha Nacional, com a utilização da lancha hidrográfica DHN-15.

Os resultados foram publicados em:

http://www.scielo.br/pdf/bipoce/v1n1/v1n1a05
http://www.scielo.br/pdf/bipoce/v1n2/v1n2a01.pdf
http://www.scielo.br/pdf/bipoce/v1n1/v1n1a03.pdf

1949
Atividades no Litoral Norte do Estado de São Paulo

As primeiras atividades no Litoral norte do Estado de São Paulo foram realizadas no Canal de São Sebastião. Essas atividades contaram com o apoio de uma base instalada na Fazenda São Matias, em terras pertencentes ao sr. Prof. Dr. Floriano Paulo de Almeida.

Artigo publicado no Boletim Paulista de Oceanografia, em 1950:

http://www.scielo.br/pdf/bipoce/v1n2/v1n2a09.pdf

1949
Laboratório flutuante

Como o instituto não possuía infraestrutura (terreno, laboratórios e alojamentos), foi construído, na região de Iguape, um laboratório flutuante, que permitiu a realização de atividades de pesquisa na região.

1949
Aquisição de terreno em Cananéia

O IPO adquire o primeiro terreno da Base de Cananéia (Litoral Sul do Estado de São Paulo) e inicia as obras de implantação dos alojamentos e laboratórios, ainda em madeira. Posteriormente, no primeiro semestre de 1951 começaram os trâmites para obtenção do segundo terreno para ampliação das atividades da Base de Pesquisas em Cananeia, SP.

Maio de 1950
Expedição à Ilha de Trindade e Martim Vaz

O IPO participa da 1º expedição científica oceanográfica à Ilha de Trindade e Martim Vaz. As ilhas, de origem vulcânica e rochas íngremes, foram visitadas com a finalidade de se planejar uma colonização e a construção de uma base aeronaval brasileira. Os Professores W. Besnard e João Capistrano Raja Gabaglia foram os primeiros cientistas a realizar trabalhos oceanográficos no arquipélago.

Junho de 1950
1º edição do Boletim do IPO

Foi publicada a 1º Edição do Boletim do Instituto Paulista de Oceanografia, com os primeiros resultados das pesquisas realizadas na região lagunar de Cananéia-Iguape e Ilha da Trindade.

05 de Dezembro de 1951
Incorporação à USP

O IPO é incorporado à USP como Unidade de Pesquisa, condição que o permitiu ter maior autonomia no cumprimento de suas funções de pesquisas. A alteração, que modificou também o nome do instituto (passou a ser Instituto Oceanográfico) foi aprovada pelo Decreto de Lei nº 1.310. O Prof. Wladimir Besnard e a Profa. Marta Vannucci, assim como o então Reitor da USP, Prof. Luciano Gualberto, tiveram papéis fundamentais nesse processo.

1952
Mudança da sede após incorporação à USP

Após ser incorporado à USP o Instituto se muda para uma casa-sede alugada na Alameda Eduardo Prado, 698, no Bairro da Barra Funda (SP). Esta e outra casa alugada na Rua Vitorino Camilo abrigaram laboratórios, salas de pesquisadores, administração, gráfica e biblioteca.

1952
Renomeação do periódico científico do Instituto

Com a incorporação à USP, o então Boletim do Instituto Paulista de Oceanografia é também renomeado como Boletim do Instituto Oceanográfico.

1952
Construção de laboratórios na Base de Cananéia

Construção do primeiro laboratório em alvenaria da Base de pesquisas de Cananéia (SP) para abrigar as atividades práticas e laboratoriais da extinta Divisão de Tecnologia do Pescado.

05 de Dezembro de 1952
1º aniversário do IOUSP

Comemoração do 1º aniversário do Instituto Oceanográfico após incorporação à USP. O Prof. Wladimir Besnard ficou à frente da instituição desde 1946 até 1960

1954
Aquisição de terreno em Ubatuba

O IOUSP adquire o terreno em Ubatuba-SP para instalação da Base de Pesquisa no Litoral Norte. Em 1954 começam as atividades de medições do terreno e em 1955 foram concluídas as obras e são realizadas as primeiras atividades acadêmicas.

1954
Primeira embarcação do IOUSP

Aquisição da embarcação Juva-Camburiú, primeira embarcação do Instituto Oceanográfico da USP, utilizada em pesquisas na região estuarina de Cananéia-Iguape. Atualmente a embarcação faz parte do acervo do Museu Oceanográfico do IOUSP. Neste período começam também os trâmites para aquisição de outra embarcação para pesquisas em alto mar.

1955
Primeiro navio nacional de pesquisas

Ainda sob direção do Prof. W. Besnard, o IOUSP adquire o N/Oc. Ungava, primeiro navio nacional de pesquisas, sendo realizadas em Cananéia aulas práticas do primeiro curso sobre Oceanografia Física e Biologia Marinha para pesquisadores brasileiros e latinos. No dia 11 de novembro de 1955, a embarcação, quando se dirigia de Cananéia para Santos, incendiou e naufragou próximo da Praia de Fora (Ilha Comprida - SP), sem danos físicos aos passageiros e tripulantes. 

1958
Início do projeto de aquisição de outro navio

Foi definida a comissão encarregada da escolha e compra de um novo Navio Oceanográfico. O projeto preliminar ficou a cargo do escritório naval da Escola Politécnica, enquanto as provas e cálculos do modelo foram realizados no tanque de provas do IPT (Instituto de Pesquisas Tecnológicas)

1959
Aquisição da embarcação Emília

O Instituto adquire a embarcação de pesquisa Emília

11 de Agosto de 1960
Falecimento do Prof. Wladimir Besnard

Nascido em 1º de Setembro de 1890, em São Petersburgo (Rússia), cursou as universidades de Kiev e Moscou, especializando-se em Anatomia Comparada, Biologia Geral e Ciências Naturais. Indicado por Paulo Duarte, Paul Rivet e Louis Fage, Wladimir Besnard aceitou o convite do governo paulista,  para trabalhar no Brasil. Fundador do Instituto Paulista de Oceanografia (1946/1951) teve papel fundamental, junto com Marta Vannucci e Luciano Gualberto, reitor da USP na ocasião, na incorporação do IPO à USP hoje conhecido como Instituto Oceanográfico da Universidade de São Paulo (IOUSP). Primeiro Diretor dos Institutos (de 1946 até 1960) é considerado o “pai da Oceanografia no Brasil”. Participou do projeto brasileiro para construção, na Noruega, do navio Oceanográfico que receberia posteriormente seu nome. Foi editor dos primeiros boletins científicos do IOUSP, hoje Brazilian Journal of Oceanography.

04 de Setembro de 1961
Falecimento de João de Paiva Carvalho

Grande divulgador científico, o pesquisador (que também utilizava os pseudônimos de João Dalcina e João Paca) nasceu no Rio de Janeiro (RJ). Doutor Honoris Causa conferido em 1957 pela Academia Asiática da Universidade Livre da Ásia, estagiou e foi aluno ouvinte na década de 1940 na FFLCH da USP. Iniciou os estudos sobre o plâncton em São Paulo, sendo um dos pioneiros da oceanografia paulista e estudioso em biologia marinha. Colaborador de Wladimir Besnard desde o Instituto Paulista de Oceanografia ambos escolheram o local da primeira base de pesquisas da instituição. Estruturou, juntamente com Marta Vannucci, a Seção de Oceanografia Biológica, embrião do atual Departamento de Oceanografia Biológica do IOUSP. Foi Vice-Diretor do IOUSP e Diretor da extinta Divisão de Oceanografia Biológica. A Base de Pesquisas do IOUSP em Cananeia (SP) e uma das embarcações do instituto receberam seu nome. Seu nome também está perpetuado em diversas espécies.

Novembro de 1961
Inauguração da embarcação João de Paiva Carvalho

Foi inaugurada, em Santos (SP) a embarcação João de Paiva Carvalho, que recebeu este nome em homenagem ao cientista que teve importante papel desde o início das atividades do IPO.

16 de Abril de 1964
Assinatura do contrato para construção de um novo navio

Assinado o contrato de construção da embarcação com o estaleiro norueguês A/S Mjellem & Karlsen, localizado em Bergen; Nesse processo de construção do Navio foi fundamental a participação do então diretor do IOUSP, o professor Islandes Ingvar Emilsson.

1966
Início dos cursos de Pós-Graduação

O IOUSP inicia os cursos de pós-graduação organizados pela própria instituição. A aula inaugural foi proferida pela Profa. Dra. Marta Vannucci, então Diretora do IOUSP. Formada em História Natural e doutora em ciências, a Profa. Marta foi convidada para trabalhar no IPO em 1949 por Wladimir Besnard, tendo papel fundamental na transformação do IPO em IOUSP. De 1964 a 1969 foi Diretora do Instituto Oceanográfico, sendo eleita membro titular da Academia Brasileira de Ciências (a primeira mulher a ser escolhida para a assembleia geral do órgão). De 1970 a 1974 interrompeu as atividades no IOUSP para assumir posto oferecido pela UNESCO em Cochin, Índia.

18 de Agosto de 1966
Lançamento do casco do navio

Pouco mais de dois anos depois de assinado o contrato de construção, o casco do navio oceanográfico foi lançado ao mar. Nesta data, o casco foi transferido da cidade de Thondhein para o estaleiro A/S Mjellem & Karlsen, em Bergen (ambas na Noruega)

05 de Maio de 1967
Batismo do Navio Oceanográfico Prof. W. Besnard

O navio foi batizado com o nome de Prof. W. Besnard, homem cuja persistência foi fundamental para dar vida ao projeto. Da cerimônia de batismo e entrega simbólica do navio, realizada em Bergen, participou o embaixador brasileiro na Noruega, Jaime de Souza Gomes, representando o Governo do Estado de São Paulo. Também estavam presentes o Engenheiro Verrone, membros da comissão responsável pelo projeto, cientistas, técnicos brasileiro e noruegueses, autoridades navais e portuárias dos dois países e membros da tripulação.

10 de Junho de 1967
Primeira expedição oceanográfica a bordo do N/Oc. Prof. W. Besnard

A viagem do navio para o Brasil representou sua primeira expedição científica, a VIKINDIO, anagrama derivado da junção das palavras Viking (guerreiros-marinheiros que são parte intrínseca da história da Noruega) e índio (povos nativos do Brasil).

09 de Agosto de 1967
Chegada do navio ao Porto de Santos

A viagem do VIKINDIO durou exatos 60 dias. Em seu percurso navegou junto à costa Africana, fez escalas em Recife (PE) e em Vitória (ES), até chegar ao Porto de Santos, onde foi recebido com muita festa. A chegada do navio ocorreu durante o mandato da Prof. Marta Vanucci, então Diretora do Instituto.

Janeiro de 1970
Mudança da sede para o Campus da USP

O processo de mudança de sede para o campus da USP ocorreu durante o fim do mandato da Profa. Marta Vanucci e início da gestão do Prof. Alberto dos Santos Franco.

1972
O Instituto Oceanográfico é elevado à Unidade Universitária da USP

O IOUSP foi transformado em Unidade Universitária, dando início aos cursos de Pós-Graduação, pela Pró-Reitoria de Pós-Graduação da USP, na forma do novo estatuto e das normas do Conselho. A transformação foi realizada durante o mandato do Prof. Alberto dos Santos Franco. O IOUSP se tornou a 21º Unidade Universitária da USP

1973
Aquisição das embarcações Veliger II e Albacora

Para auxiliar as atividades didáticas e de pesquisa, o Instituto adquiriu mais duas embarcações. O Barco de Pesquisa Veliger II, que ficaria baseado em Ubatuba e o Barco de Pesquisa Albacora, baseado em Cananéia. O Prof. Edmundo Nonato teve importante papel na aquisição destas embarcações, que foram financiadas pelo Governo do Estado de São Paulo

Março de 1982
1º Expedição PROANTAR

Primeira expedição com participação do IOUSP no PROANTAR, um programa brasileiro de pesquisas no continente Antártico. Os pesquisadores do IOUSP tiveram participação ativa no programa, que teve suporte do N/Oc. W. Besnard. À época, o Diretor do IOUSP era o Prof. Plínio Soares Moreira.

1988
Implantação do Museu e Aquário do IOUSP

Implantação do Museu e Aquário do IOUSP, assumindo posteriormente (em 1992), sua identidade atual de Museu Oceanográfico do IOUSP. A implantação foi realizada durante a gestão do Prof. Antônio Guimarães Ferri.

1988
Última participação do N/Oc. Prof. W. Besnard no PROANTAR

Última participação do N/Oc. Prof. W. Besnard no programa PROANTAR. Ao todo foram realizadas 06 campanhas ao continente antártico. Os trabalhos deste programa foram imprescindíveis para os interesses políticos e estratégicos do Governo Brasileiro, viabilizando sua participação como membro pleno do Conselho Consultivo do Tratado da Antartica.

10 de Janeiro de 1994
Homenagem à João Paiva de Carvalho

Em homenagem a João de Paiva Carvalho, um dos pesquisadores pioneiros e com inestimável importância para a instituição, a Base de Pesquisas do IO em Cananéia (Litoral Sul do Estado de São Paulo) passa a ter seu nome. A homenagem foi publicada através da Portaria IO 01/94, durante a gestão do Prof. Dr. Alfredo Martins Paiva Filho.

1996
Renomeação do periódico científico do Instituto

O Boletim do Instituto Oceanográfico (anteriormente chamado Boletim do Instituto Paulista de Oceanografia - criado ainda na gestão do Prof. W. Besnard) é novamente renomeado como Revista Brasileira de Oceanografia “Brazilian Journal of Oceanography”.

15 de Setembro de 1998
Homenagem à Clarimundo de Jesus

A Base de Pesquisas do IOUSP em Ubatuba (Litoral Norte do Estado de São Paulo) passa a ter o nome "Clarimundo de Jesus", segundo Portaria IO 42/98, durante a gestão do Prof. Dr. Rolf Roland Weber. Clarimundo de Jesus era técnico e teve papel de destaque em suas atividades no instituto, sendo inclusive membro da primeira expedição do N/Oc Prof. Wladimir Besnard à região antártica, no projeto PROANTAR.

27 de Março de 2001
Criação do Curso de Graduação

O Conselho Universitário da USP aprovou a criação do curso de graduação em Oceanografia do Instituto Oceanográfico da USP. Muitos docentes do IOUSP tiveram papel fundamental nessa realização, entre eles: Rolf Roland Weber, Yasunobu Matsuura, Moysés Gonzalez Tessler e Joseph Harari. O início do curso se deu em 2002, com o ingresso da primeira turma de calouros, que foram recepcionados pelo então Diretor, Prof. Belmiro Mendes de Castro Filho.

06 de Outubro de 2009
Inauguração do Bloco Didático do IOUSP

O Bloco Didático passou a abrigar as atividades de ensino da Graduação e Pós-Graduação desenvolvidas no Instituto. No evento, durante a gestão da Diretora Ana Maria Setúbal Pires-Vanin, foi homenageado o Prof. Yasunobu Matsuura, que deu nome ao prédio.

01 de Março de 2010
Negociações de aquisição de um Navio Oceanográfico

Inicio das tratativas para aquisição e reforma de um navio da Universidade do Havaí (Moana Wave). As negociações tiveram importante papel do então diretor do IOUSP, Michel Michaelovitch de Mahiques, do Reitor da USP, João Grandino Rodas e do Presidente da FAPESP, Celso Lafer.

12 de Agosto de 2011
Cerimônia de batimento de quilha do B/Pq. Alpha Delphini

Cerimônia de batimento de quilha do Barco de Pesquisa Alpha Delphini. A embarcação, construída pelo estaleiro INACE, em Fortaleza (CE) é a primeira embarcação de pesquisa totalmente construída no Brasil. A aquisição contou com fundamental apoio da FAPESP.

29 de Março de 2012
Partida do N/Oc. Alpha Crucis de Seattle com destino ao Brasil

Após um longo período de tratativas, reformas e emissão de certificados, o N/Oc. Alpha Crucis, financiado pela FAPESP, parte em sua primeira viagem com destino ao Porto de Santos (SP). Batizado com o nome da estrela mais brilhante do Cruzeiro do Sul, e que representa o Estado de São Paulo na Bandeira do Brasil, o navio partiu do Porto de Seattle (EUA).

28 de Maio de 2012
Inauguração da Science on a Sphere

O IOUSP inaugurou, durante a comemoração IOUSP 40+10 (40 anos de pós-graduação + 10 anos de graduação) a Science on a Sphere. A ferramenta educacional é desenvolvida pela Agência Americana de Oceanos e Clima (NOAA), com a função de ilustrar o planeta Terra e seus diferentes fenômenos, de forma dinâmica e interativa. Instalada no Museu Oceanográfico, a esfera tem aplicações didáticas para os cursos do IOUSP e para públicos visitantes do museu, de todas as idades.

30 de Maio de 2012
Cerimônia de inauguração do N/Oc. Alpha Crucis

Realizada no Terminal Marítimo de Passageiros do Porto de Santos, o cerimonial contou com a presença de dirigentes da USP, da FAPESP, autoridades municipais e estaduais, além de docentes e alunos do IOUSP. A embarcação, com 64 metros de comprimento e dotada de modernos equipamentos representa um enorme salto no desenvolvimento oceanográfico do país.

12 de Agosto de 2013
Inauguração do Barco de Pesquisa Alpha Delphini

A inauguração contou com a presença de representantes da FAPESP, da Reitoria da USP, entre outras autoridades, além de pesquisadores do IOUSP. Com financimento da FAPESP, a embarcação complementa a flotilha do IOUSP, junto com o também recém chegado N/Oc. Alpha Crucis. O IOUSP se torna uma das instituições mais bem aparelhadas para realizar pesquisas oceanográficas no mundo.

18 de Outubro de 2013
Posse do Armazém 8 - Santos

O IOUSP formalmente tomou posse do Armazém 8, na cidade de Santos, local da futura Base de Pesquisa, Ensino e Extensão. Foram três anos e nove meses de marchas e contra marchas, assinaturas diversas e revisões.

Compartilhe